COMERCIÁRIOS EXIGEM GARANTIAS PARA MARATONAS DE VENDAS

COMERCIÁRIOS EXIGEM GARANTIAS PARA MARATONAS DE VENDAS

Durante semanas, o Sindicato dos Comerciários do Rio procurou se reunir com o Sindilojas, que representa os patrões lojistas do comércio, para debater as condições de trabalho durante a maratona de vendas de dezembro. Apenas na quarta-feira passada (23/11), em reunião com representantes do Comerciários, o sindicato patronal apresentou uma proposta para o período.

O termo do Sindilojas se limita a compromissos vagos, como “negociar a intensificação do transporte coletivo”, “providenciar excelente segurança no local” e “divulgar o evento intensamente na mídia”. Uma carta de intenções que não assegura qualquer das garantias exigidas pelos comerciários, nem mesmo o adicional noturno de 25% em dezembro ou a folga compensatória na próxima segunda-feira de carnaval. O Sindicato dos Comerciários não aceitou autorizar a maratona sem definir com maior clareza as condições de trabalho no período, fazendo com que a reunião terminasse num impasse.

Contudo, nesta terça-feira (29/11), uma semana após a reunião, o Sindilojas voltou a procurar o SEC-RJ para discutir o assunto. Exigem uma sinalização imediata se vamos ou não autorizar a maratona de vendas, com prorrogação do horário de abertura das lojas até a meia-noite, para só então dar início à discussão sobre as condições de trabalho durante o período.

Em resposta, O SEC-RJ informou que não vai negociar com a faca no pescoço. É sabido que os vendedores comissionistas querem aumentar as vendas, mas é preciso garantir justas condições de trabalho e algumas compensações para um período que é tão extenuante para os trabalhadores. Desta forma, o SEC-RJ fez saber o Sindilojas que só haverá autorização para prorrogação de horário durante a maratona de vendas se forem dadas as seguintes garantias:

  • Garantia de não-abertura das lojas na segunda-feira de carnaval;
  • Lanche no valor de R$ 17, nas mesmas condições do fornecido aos sábados;
  • Adicional noturno de 25%;
  • Oferta de transporte aos trabalhadores para o retorno à residência (com fretamento de transporte ao menos para garantir o deslocamento até os terminais de ônibus/trem/metrô ou barcas);
  • Contratação de segurança extra para os shoppings durante o período;
  • Respeito ao horário de trabalho contratual, com limite de até 8 horas/ dia;

Além disso, com base na cláusula 38ª da Convenção Coletiva (CCT) atualmente vigente, é exigido que as condições de trabalho devem ser repactuadas por meio de uma CCT específica, na medida em que este é o instrumento jurídico adequado para garantir os direitos dos trabalhadores. O Sindicato aguarda a resposta do Sindilojas.

 

Fonte: SEC-RJ

Leia também...

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *