Dia Nacional de Lutas é encerrado com grande ato no Centro do Rio de Janeiro

Dia Nacional de Lutas é encerrado com grande ato no Centro do Rio de Janeiro

Milhares de Trabalhadores e Trabalhadoras, homens, mulheres, estudantes e cidadãos de todas as idades e de diversas atividades lotaram a Praça da Candelária no final da tarde dessa segunda-feira (19) para o ato unificado das Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, em conjunto com as Centrais Sindicais, dentre elas a CTB RJ, contra a Reforma da Previdência e contra a Intervenção Militar no Rio de Janeiro.

O ato coroou um dia de diversas atividades, em todas as regiões do Estado, contra essa proposta nefasta e a intervenção decretada pelo governo golpista de Michel Temer. O Presidente da CTB Rio de Janeiro, Paulo Sérgio Farias, avaliou o Dia Nacional de Lutas no Rio de Janeiro como positivo e valorizou a firmeza dos movimentos sociais que, mesmo com a anunciada intervenção militar, não abaixaram a guarda e seguem firmes na luta.

“Hoje foi um grande dia de luta, desde as primeiras horas da manhã com o ato no Aeroporto Santos Dumont, com ocupações de portas de fábrica, estradas e bancos, tanto aqui no Rio de Janeiro, quanto no resto do país. Foi um grande Dia Nacional de Luta com a palavra de ordem para os deputados de que se eles votarem para retirar direitos, eles não voltam para o congresso. Nosso balanço é positivo. Apesar dessa malfadada intervenção que o governo faz no Rio de Janeiro, os movimentos sociais não abaixaram a guarda, e seguirão vigilantes em defesa dos direitos da classe trabalhadora.” – afirmou Paulo Sérgio.

O Vereador da Cidade de Niterói e pré-candidato à governador pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB), Leonardo Giordano, marcou presença no ato e ressaltou a importância do ato, classificando a intervenção no Rio de Janeiro como um aprofundamento do golpe. Segundo Giordano:

“Estamos vivendo um momento onde, no plano nacional, os entreguistas tentam avançar com seu projeto das reformas, inclusive a da previdência, que o povo rejeita. E aqui no Estado do Rio de Janeiro, surge essa novidade da intervenção militar que não vai resolver os problemas da segurança pública que, na prática, é mais uma etapa do golpe. Pretendem fazer um show midiático para desviar atenção dos problemas do povo, mas a Reforma da Previdência não está fora do horizonte e por isso esse ato com as centrais sindicais e movimentos populares é tão importante.”– defendeu Leonardo.

Pela manhã, atos descentralizados marcaram luta contra a Reforma da Previdência

O dia 19 amanheceu já com muita luta e mobilização no Rio de Janeiro. Na Praça XV e na Central do Brasil, trabalhadores iniciaram o dia às 6 da manhã com panfletagens denunciando as atrocidades da Reforma da Previdência. Dirigentes e militantes da base social da CTB RJ ocuparam desde cedo os acessos ao aeroporto. Além da luta contra a Reforma da Previdência, o ato que contou com militantes de diversos sindicatos, dentre eles professores e trabalhadores da educação do SINDPEFAETEC e trabalhadores do Saneamento da base do SINTSAMA, avisavam para que Temer e Pezão tirarem as mãos da CEDAE.

Ainda pela manhã, Metalúrgicos e Metalúrgicas fizeram uma grande atividade na REDUC de Caxias, na Estrada das Empreiteiras. Os Bancários e as Bancárias fecharam as agências do centro da cidade para lutar contra a Reforma da Previdência e também contra demissões, Assédio Moral, Terceirização e juros altos.

No Interior, Trabalhadores Rurais bloquearam estradas em Casimiro de Abreu contra a Reforma da Previdência e deram o recado: “Reforma, só se for agrária!”

 

Texto: José Roberto Medeiros, CTB-RJ | Foto: Mídia Ninja

 

Leia também...

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *