METALÚRGICOS DO EISA FAZEM PASSEATA E OCUPAM SAGUÕES DA AVIANCA NO GALEÃO

METALÚRGICOS DO EISA FAZEM PASSEATA E OCUPAM SAGUÕES DA AVIANCA NO GALEÃO

Mais de três mil metalúrgicos do Estaleiro Ilha S. A. (Eisa) saíram em passeata, na manhã desta segunda-feira (14), até o aeroporto internacional do Galeão e ocupam o saguão da companhia aérea Aviação Avianca, cujo proprietário é o empresário German Efromovich, que também é dono dos estaleiros Mauá, em Niteroi, e do EISA. O protesto é contra as mais de três mil demissões anunciadas hoje.

Os funcionários foram desligados da empresa por meio de uma carta recebida na manhã desta segunda-feira. Na mensagem, assinada pela presidência do estaleiro – controlado pela holding Synergy Shipyards -, a empresa justifica que o corte de pessoal é consequência dos impactos da recessão econômica e da Lava-Jato, “que paralisou as atividades da indústria naval e de offshore”. “A única alternativa para manter o estaleiro funcionando é diminuir ao máximo os custos operacionais”, argumenta.

Após receberam a mensagem, os três mil metalúrgicos caminharam em uma manifestação até o Aeroporto Galeão. A diretoria do esteleiro e do Sindicato dos Metalúrgicos do Rio de Janeiro (Sindimetal-Rio) irão se reunir para discutir as rescisões.

O presidente do Sindimental-Rio, Jesus Cardoso, afirmou à imprensa que teme que os funcionários desligados do Eisa também fiquem sem receber direitos como 13° salário, pagamento de multa e férias, além do reajuste salarial de 9,8% recentemente aprovado, que é retroativo ao mês de outubro e ainda não foi pago pela empresa.

“Há quatro meses, a mesma empresa demitiu os metalúrgicos do Estaleiro Mauá, e até hoje não receberam nada. A empresa já estava com dificuldades de pagar os funcionários. Só estava pagando até R$ 3 mil por mês, mesmo a quem ganhava mais. Fomos totalmente surpreendidos pelos portões lacrados com chapa de aço e a carta.”

O Sindicato dos Metalúrgicos do Rio de Janeiro (Sindimetal-Rio) e a CTB-RJ acompanham o caso e seguem na luta ao lado dos trabalhadores.

Leia também...

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *