Movimentos Sociais Fluminenses ocupam Globo e reafirmam: Eleição sem Lula é fraude!

Movimentos Sociais Fluminenses ocupam Globo e reafirmam: Eleição sem Lula é fraude!

O dia 24 de janeiro ficará marcada na História do Brasil como o dia em que o golpe foi aprofundado. Por 3 a 0, o TRF-4 não apenas manteve a condenação ao ex-presidente Lula, como também aumentou sua pena para 12 anos de prisão em regime fechado. Um duro golpe naqueles que lutam pela democracia, porém, um golpe que longe de calar os movimentos sociais, os aguça em sua radicalidade para enfrentar os retrocessos e garantir o direito do ex-presidente, que lidera todas as pesquisas, ser candidato novamente.

Os movimentos sociais amanheceram em vigília e luta desde cedo. No Jardim Botânico, sindicalistas e partidos políticos foram ao encontro dos militantes da União da Juventude Socialista (UJS) e do Levante Popular da Juventude (LPJ) que ocupavam a sede da Rede Globo, uma das principais articuladoras e defensoras da ruptura democrática que vivemos em nosso país. Com exclusividade ao Portal CTB RJ, a Presidenta da UJS Carioca, Tayná Paolino, estudante de Ciência Política da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), comentou o porquê da ocupação:

“Nós sabemos que um dos principais poderes estabelecidos é o poder da mídia e da informação. Quem tem acesso aos meios de comunicação tem acesso a esse poder e, com ele, a capacidade de influenciar as pessoas em determinadas posições. Os movimentos sociais e a juventude acreditam ser fundamental denunciar o papel totalmente parcial da principal mídia, a Globo, que vive praticamente do investimento público e não expõe todas as opiniões em suas coberturas. Nós sofremos isso no dia a dia, quando fazemos nossas lutas. É o caso, por exemplo, da luta pelo Passe Livre, onde a mídia ao invés de expor a opinião dos manifestantes que tomam as ruas, apenas entrevista os donos da Supervia e os empresários da Fetranspor. Uma mídia que, diariamente, estereotipa de todas as maneiras, o jovem favelado, o jovem rural e o jovem trabalhador. Estamos aqui, desde segunda-feira, denunciando o papel estratégico que a mídia tem nesse golpe: o papel de divulgar mentiras sobre a Reforma da Previdência, mentiras sobre a Reforma Trabalhista e jogando peso contra os direitos políticos e sociais. Por isso estamos nessa ocupação, denunciando o papel da mídia e da Rede Globo e defendendo a necessidade desse poder ser democratizado.”

A Secretária da Mulher Trabalhadora da CTB RJ manifestou o apoio da CTB à ocupação da juventude:

“A CTB Rio de Janeiro apoia a ocupação que essa juventude aguerrida faz na sede dessa mídia golpista. A Globo e as demais grandes empresas de comunicação prestam constante desserviço ao país seja construindo rótulos, seja manipulando informações, seja objetificando as mulheres ou promovendo uma retratação caricata e preconceituosa da população negra e LGBT, ou ainda auxiliando, mais uma vez, a se consolidar golpes no nosso País. Os ataques da Globo e das demais empresas de comunicação ao ex-presidente Lula revelam o profundo desprezo que possuem pela maior liderança popular da história recente do Brasil, revelam o profundo desprezo que possuem pelo povo brasileiro. Essas mídias não nos representam e precisam ser democratizadas já!”

Mais à tarde, diversos movimentos sociais se reuniram em frente ao Metrô da Carioca para um ato político de apoio ao ex-presidente Lula. Durante o ato, os manifestantes iam sendo informados do resultado do julgamento. O Presidente do Sindicato dos Comerciários do Rio de Janeiro, Marcio Ayer, foi categórico ao taxar que quem estava no banco dos réus não era o ex-presidente Lula, mas sim a Democracia:

“O que está sendo julgado hoje não é só o ex-presidente Lula, é a democracia do País. São as conquistas que Lula trouxe através do seu governo para os trabalhadores e para as trabalhadoras. É isso que está no banco dos réus. A elite está tentando de todas as maneiras tirar ele do pleito e aprofundar esse processo de golpe para acabar com as conquistas que tivemos nos últimos anos. Por isso estamos nessa vigília, fortalecendo a democracia, dando a poio ao ex-presidente, lutando com unhas e dentes para garantir a nossa democracia e o seu direito de ser candidato.”

O Presidente da CTB Rio de Janeiro, Paulo Sérgio Farias, fez duras críticas à decisão do TRF-4 e classificou o ato como mais um passo para trás dado pelo País e afirmou que o dia de hoje entra para a história tal qual os dias em que os militares consolidaram o golpe de 1964 e promulgaram o AI-5:

“O Brasil tem dados passos para trás desde que o golpe foi consolidado e a ex-Presidenta Dilma foi sacada de seu cargo. Temos visto o país regredir em direitos trabalhistas duramente conquistados, temos visto a democracia ser violentamente atacada e a soberania nacional sendo vilipendiada. O discurso de combater a corrupção foi o pano de fundo dos golpistas para promover enormes transformações no país que colocaram, novamente, o Brasil como uma mera colônia do mundo capitalista. A condenação do ex presidente Lula aprofunda o golpe. É o golpe dentro do golpe! O que os golpistas querem na verdade é impedir Lula de disputar as eleições. Lula é a maior liderança do Brasil. É a expectativa que o país tem de retomar o rumo do desenvolvimento e tirar mais de 15 milhões de trabalhadores da situação de desemprego. A CTB está convicta de que estar no ruas defendendo a democracia e o direito de Lula é fundamental. Eleição sem Lula é fraude e por isso é necessário não dar tréguas aos golpistas. Esse dia 24 de janeiro fica na história como ficaram o golpe de 64 e o AI 5. Fica também registrado os milhares que foram as ruas nesses dias em que a resistência popular mais uma vez se manifestou de forma unida contra os retrocessos da democracia e a retirada de direitos.”

Leia também...

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *