Mulheres fazem ato na Cinelândia para marcar luta pelo fim da violência contra a mulher

Mulheres fazem ato na Cinelândia para marcar luta pelo fim da violência contra a mulher

Mulheres de diversos movimentos sociais compareceram na Cinelândia, nessa sexta-feira (23), para a realização de um ato em defesa do fim da violência contra a mulher. A atividade ocorre pela proximidade do 25 de novembro (Dia internacional de luta pelo fim da violência contra a mulher) e contou com megafone aberto para diálogo das mulheres com a sociedade fluminense.

As mulheres classistas da CTB RJ compareceram à atividade. Kátia Branco, Secretária da Mulher Trabalhadora lembrou que o Brasil, mesmo com avanços, ainda apresenta índices alarmantes de violência contra a mulher:

“Nos últimos anos, o Brasil avançou na luta contra a violência contra a mulher. Tivemos a Lei Maria da Penha, a Lei do Feminicídios, importantes instrumentos para se combater a violência contra as mulheres; mas ainda precisamos avançar mais. Os números de violência doméstica no Brasil são alarmantes, os casos de agressão que vivenciamos durante o processo eleitoral, gravíssimos. A luta contra a violência contra a mulher é uma luta cotidiana.” – defendeu Kátia Branco.

A Data

Dia 25 de Novembro, o Dia Internacional de Luta contra a Violência sobre a Mulher, instituído, em 1999, pala Organização das Nações Unidas (ONU). A data foi escolhida para homenagear as irmãs Mirabal (Pátria, Minerva e Maria Teresa), assassinadas pela ditadura de Leônidas Trujillo na República Dominicana.

Em 25 de Novembro de 1991 teve início a Campanha Mundial pelos Direitos Humanos das Mulheres, sob a coordenação do Centro de Liderança Global da Mulher, que propôs 16 Dias de Ativismo contra a Violência sobre as Mulheres. Os 16 dias começam no 25 de Novembro e encerram-se no dia 10 de Dezembro, aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, proclamado em 1948.

O combate à violência contra a mulher, exige ações integradas em diversos níveis, áreas e instâncias. Como problema público, exige políticas públicas, decididas e devidamente apoiadas.

 

Leia também...

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *