Nota de Repúdio ao golpe na Bolívia

Nota de Repúdio ao golpe na Bolívia

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – Rio de Janeiro, manifesta, através da presente nota, seu total repúdio ao movimento golpista que levou à renúncia do companheiro Evo Morales na Bolívia. Repudiamos todos os atos de violência promovidos pela direita golpista Boliviana, não reconhecemos como legítimas as ações que culminaram na renúncia do Companheiro Evo e chamamos todas as organizações e entidades internacionais a responsabilidade para com o povo, não apenas boliviano, mas de toda América Latina.

A América Latina não suporta soluções golpistas e bélicas para satisfazer os interessas do imperialismo estadunidense. Em 13 anos de Evo Morales, o povo boliviano conheceu seus menores índices históricos de analfabetismo, de desemprego, e de pobreza extrema e moderada. Ao longo do Governo Evo, a Bolívia deixou de servir a interesses externos e colocou seu povo em primeiro lugar. É um grande retrocesso para toda América Latina que, mesmo com novas eleições marcadas, setores sem nenhum mandato ou respaldo constitucional forcem a renúncia de um presidente cujo mandato só se encerrava em 2020.

Repudiamos também a postura da Organização dos Estados Americanos (OEA) que, mais uma vez, quando a direita não consegue resultado nas urnas e promove um retrocesso democrático a uma nação latino-americana, se coloca como opção de mediação, favorecendo sempre os interesses da direita submissa aos interesses do capital internacional.

O golpe na Bolívia é mais um golpe em todos os trabalhadores e trabalhadoras da América Latina. Tem em seu DNA a mesma essência dos golpes realizados em Honduras (2009), Paraguai (2012) e Brasil (2016). As veias da América Latina, mais uma vez estão abertas e somente a unidade e a luta internacionalista de seu povo podem apontar saídas para a restauração da normalidade democrática em nosso continente.

Rio de Janeiro, 11 de Novembro de 2019

Paulo Sérgio Farias
Presidente da CTB-RJ

Leia também...

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Cancelar comentário