Perseguição Política: MEC processa 30 professores da UFF por votos em Conselho Universitário

Perseguição Política: MEC processa 30 professores da UFF por votos em Conselho Universitário

Segundo dados publicados pela jornalista Mônica Bergamo, em sua coluna na Folha de São Paulo, o Ministério da Educação, em uma nova escalada autoritária, abriu procedimento administrativo disciplinar contra 30 professores da UFF (Universidade Federal Fluminense). O motivo do processo é um voto, dado há cerca de 12 anos, no Conselho Universitário da instituição sobre a carreira administrativa dos funcionários da instituição.

O Conselho Universitário é a instância mais importante da universidade. Nele, professores, técnicos-administrativos, e, estudantes, debatem os temas de relevância para a comunidade universitária e deliberam por voto sobre os mesmos.

Na ocasião citada pelo Ministério, os mestres, que integravam o Conselho Universitário da UFF, decidiram que os funcionários aposentados deveriam ter os mesmos aumentos dos que estavam na ativa, seguindo os princípios da isonomia e da integralidade.

De acordo com representantes da ADUFF (Associação de Docentes da UFF, esse ataque é grave, violando a liberdade de manifestação e votos do conselho e, mais ainda, atacando a própria autonomia universitária.

“É o maior abuso de autoridade que se comete contra a liberdade de manifestação e de voto nos Conselhos superiores da universidade pública”, diz Adriana Penna, da associação dos docentes da UFF. “É uma clara tentativa de intimidação e ataque à autonomia universitária.”

*Contém informações da coluna da jornalista Mônica Bergamo no jornal Folha de São Paulo

Leia também...

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Cancelar comentário