Trabalhadores fazem ato contra Reforma da Previdência

Trabalhadores fazem ato contra Reforma da Previdência

Ao mesmo tempo em que o Presidente Jair Bolsonaro (PSL) junto com o Ministro da Economia, Paulo Guedes, entregavam ao Deputado Federal Rodrigo Maia (DEM), a proposta de Reforma da Previdência, em todo Brasil, trabalhadores e trabalhadores iam às ruas, debater com a população, o porquê o povo brasileiro precisa se levantar contra essa Reforma que, na prática, acaba com a aposentadoria.

Em São Paulo, milhares lotaram a Praça da Sé na Assembleia Geral da Classe Trabalhadora. Mais de 10 mil pessoas lotaram o centro de São Paulo para repudiar a proposta de Bolsonaro e Guedes. O Presidente da CTB Nacional, Adilson Araújo, saudou os trabalhadores na capital paulista e defendeu a Greve Geral, argumentando que “é hora de ampliar e radicalizar nossa luta”. Ao mesmo tempo, ressalvou que “não se constrói uma greve geral vitoriosa, como a que realizamos em 28 de janeiro de 2017, do dia para a noite. Temos o desafio de realizar, previamente, um cuidadoso e persistente trabalho nas bases, pois é fundamental conscientizar a classe trabalhadora sobre o que está em jogo nesta luta. Esta proposta é fruto da ganância capitalista, que quer transformar a nossa Previdência em mercadoria”. Araújo também chamou a atenção para “a centralidade da luta política contra o governo da extrema direita, cuja agenda é frontalmente contrária aos interesses do povo e da nação brasileira”.  

Rurais Protestam em Casimiro de Abreu

Um dos setores mais atingidos pela nefasta proposta de Jair Bolsonaro, os trabalhadores e as trabalhadoras Rurais fizeram um vitorioso protesto na cidade de Casimiro de Abreu. Mobilizados pela CTB, pela FETAG-RJ e pela FETAGRI-RJ, os manifestantes fecharam a BR-101 na altura do quilômetro 208.

O protesto causou retenções na pista de cinco quilômetros sentido ao Rio de Janeiro e dois quilômetros sentido Macaé e teve como eixo central o não à MP 871 e não à proposta de Reforma da Previdência que, pelo texto enviado ao Congresso, prejudica o trabalhador rural lhe impondo uma contribuição impossível de ser feita pelos mesmos; coloca uma idade mínima igual para homens e mulheres e condena os rurais à condições precárias após tantos anos de trabalho.

Unidade marca ato no fim da tarde

O dia de luta seguiu intenso no fim da tarde da quarta-feira. Reunidas no Largo da Carioca, centenas de lideranças de sindicatos e movimentos sociais fizeram um ato de resistência contra a Reforma da Previdência. A atividade teve microfone aberto e panfletagem contra a proposta do governo.

Durante o ato, o grupo “Emergência Teatral” apresentou uma esquete lúdica para apresentar os absurdos da Reforma para a população. Com humor e linguagem popular, a esquete denunciou como a Reforma é nefasta para as populações mais pobres e, especialmente as mulheres.

Presente na atividade, o Presidente da CTB Rio de Janeiro, Paulo Sérgio Farias, defendeu a unidade de toda a classe trabalhadora para derrotar o projeto de Bolsonaro e Guedes:

“O dia 20 de fevereiro de 2019 marca uma data importante para a Classe Trabalhadora brasileira e significa para todos o desafio da construção da verdadeira unidade do campo popular e democrático para barrar esse ataque do governo à aposentadoria do povo, da trabalhadora e do trabalhador do campo e da cidade. O governo Bolsonaro, que já não tinha escrúpulos, tirou a máscara. O objetivo claro deste governo é entregar aos bancos a previdência e matar o povo de tanto trabalhar. A hora é a hora de buscar construir a verdadeira aliança popular, de uma grande frente contra essa violência, da construção de uma nova maioria para que a sociedade enterre essa reforma e imponha uma grande derrota ao governo.”

Veja, abaixo, algumas fotos da atividade no Largo da Carioca. O álbum com todas as fotos pode ser acessado no facebook da CTB Rio de Janeiro, clicando AQUI.

Leia também...

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Cancelar comentário