21 DE JANEIRO: DIA NACIONAL DE COMBATE À INTOLERÂNCIA RELIGIOSA

21 DE JANEIRO: DIA NACIONAL DE COMBATE À INTOLERÂNCIA RELIGIOSA

Desde 2007, ainda no Governo Lula, o Brasil comemora em 21 de Janeiro o “Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa”. Comemorar, no entanto, não é o verbo mais adequado para falar dessa data que, antes de ser um dia de festa, é um dia de luta em defeito da liberdade religiosa e do respeito à todas as crenças.

De acordo com dados do Governo Federal, em 2015 houve um aumento no número total de denúncias de violação de discriminação religiosa em relação a 2014 na proporção de 69,13%, o que demonstra claramente a importância dessa luta.

Denúncias de violações contra religiões de matriz africana, comunidades quilombolas, de terreiros e ciganas constituem a maioria dos caso e podem ser feitas pelo Disque 100, serviço do governo federal para receber denúncias de violações de direitos humanos.

A promoção da libertdade religiosa é uma importante forma de preservar as tradições, idiomas, conhecimentos e valores dos primeiros negros africanos escravizados trazidos para o Brasil e as religiões de matriz africana foram incorporadas à cultura brasileira e se tornaram uma importante característica da identidade nacional. Entretanto, o racismo ainda tenta impedir o culto à ancestralidade negra tornando seus adeptos vítimas recorrentes do preconceito e da intolerância.

A CTB-RJ manifesta sua posição em defesa da liberdade religiosa e convoca sua base a fazer dessa bandeira uma luta do dia a dia em todos os espaços. Respeitar o direito à liberdade religiosa é uma das bases para construir a sociedade que nós queremos.

Histórico da data – Em outubro de 1999 o Brasil testemunhou um dos casos mais drásticos de preconceito contra os religiosos de matriz africana. O jornal Folha Universal estampou em sua capa uma foto da Iyalorixá Gildásia dos Santos e Santos – a Mãe Gilda – trajada com roupas de sacerdotisa para ilustrar uma matéria cujo título era: “Macumbeiros charlatões lesam o bolso e a vida dos clientes”.  A casa da Mãe Gilda foi invadida, seu marido foi agredido verbal e fisicamente, e seu Terreiro foi depredado por evangélicos. Mãe Gilda não suportou os ataques e, após enfartar, faleceu no dia 21 de janeiro de 2000.

Leia também...

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *