DIREÇÃO DO SINTSAMA EXIGE CUMPRIMENTO DO ACORDO EM REUNIÃO DO COMITÊ PARITÁRIO

DIREÇÃO DO SINTSAMA EXIGE CUMPRIMENTO DO ACORDO EM REUNIÃO DO COMITÊ PARITÁRIO

Exatos dois meses após a assinatura do acordo entre os trabalhadores da Cedae, representados pelo Sintsama e a direção da empresa, no Comitê Paritário de Recursos Humanos, a direção do Sindicato exigiu o cumprimento das cláusulas assinadas no texto assinado em julho último. A reclamação dos trabalhadores se refere ao corte unilateral que a empresa fez em relação ao pagamento do ticket café de parte considerável de trabalhadores da área operacional desviados para serviços administrativos.

Outra questão abordada na reunião se refere a implantação da progressão horizontal, as letras do Plano de Cargos, Carreiras e Salários, que o sindicato já tem decisão favorável da justiça, mas que a empresa insiste em querer conceder apenas para quem migrar para a nova estrutura de cargos criados para substituir o plano em vigor. A Direção do Sintsama exige que a empresa cumpra a decisão judicial e promova a incorporação da progressão horizontal e somente após a sua total aplicação se inicie os debates da progressão vertical.

Na reunião a Cedae apresentou a proposta da nova configuração da estrutura de cargos, transformando a atual estrutura de mais de 150 funções para uma estrutura mais enxuta, intitulada de “cargos amplos”. A direção do Sintsama vai submeter essa proposta para análise da categoria, que insiste na manutenção das regras e exige a manutenção dos direitos já assegurados no atual plano.

O PCCS da Cedae está parado há 24 anos e a direção do Sintsama exige que imediatamente a aplicação da progressão horizontal, a Cedae promova a ascensão vertical de uma casa, para todas as funções, uma vez que por iniciativa da empresa, o plano ficou todo esse tempo parado, impedindo até que os funcionários fossem avaliados.

Nova reunião ficou agendada para o dia 7 de outubro e a direção do Sintsama espera que a Cedae reconheça as reivindicações apresentadas e evolua para um acordo que resolva esse dilema que se arrasta 24 anos.

Leia também...

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *