Servidores Públicos fazem ato no Rio de Janeiro pelo reajuste da categoria, CTB-RJ Presente!

Servidores Públicos fazem ato no Rio de Janeiro pelo reajuste da categoria, CTB-RJ Presente!

A CTB Rio de Janeiro participou, na manhã dessa segunda-feira (4), do ato dos servidores e servidoras do INPI pelo reajuste salarial da categoria. Os Servidores Públicos Federais exigem 19,99% de reajuste pela recomposição da inflação durante o governo Bolsonaro.

 

A atividade fez parte da campanha salarial unificada dos Servidores Públicos Federais e também teve como pauta concurso público para o quadro permanente e não às privatizações.

 

“Lutar por um reajuste emergencial de 19,99% é o início do resgate da dignidade dos trabalhadores e de uma trincheira de defesa dos serviços públicos para todos. A luta pelo reajuste salarial é uma luta em defesa da manutenção dos serviços públicos e contra o processo de desmanche pelo governo” – dizia o panfleto distribuído pelos servidores.

Os Presidente da CTB-RJ, Paulo Sérgio Farias, e a Secretária de Seguridade Social, Aposentados e Pensionistas da CTB-RJ, Maria Celina de Oliveira, estiveram presentes ao ato. O Presidente da CTB-RJ analisou o ato dentro do conjunto da luta dos Servidores Púbicos e lembrou que ela não se finda em si mesma, ressaltando a necessidade de combater o governo entreguista de Bolsonaro e Paulo Guedes:

 

“A mobilização do INPI se soma a mobilização dos servidores públicos de uma forma geral na luta pelo reajuste para todos e todas. O governo Bolsonaro quer destruir o serviço público através de um projeto claro: desmontar as estatais. Instituições como IBGE, INPI, FioCruz, IPEN, Casa da Moeda, e toda rede do SUS, são fundamentais para o desenvolvimento do país. Não fazer concurso público e não valorizar o atual quadro faz parte desse projeto de desmonte. A CTB se soma à luta pelo reajuste emergencial, mas vai além, é preciso unir forças para derrotar Bolsonaro. E isso se dará nas ruas e nas urnas nas próximas eleições.” – afirmou Paulo Sérgio.

Leia também...

Qual a sua opinião?

Seu e-mail não será publicado. Os campos com * são obrigatórios.