VIOLÊNCIA E ASSÉDIO: MARCAS DE UM CARNAVAL MACHISTA

VIOLÊNCIA E ASSÉDIO: MARCAS DE UM CARNAVAL MACHISTA

Uma das mais belas festas populares do mundo, esse ano, foi manchada com a barbárie machista. Seja no caso das mulheres que faziam campanha contra o assédio e que foram assediadas e agredidas, seja no caso da bióloga apalpada e agredida num bar da Lapa, ou ainda no caso da jovem que recebeu uma cabeçada gratuita e foi ofendida por um homem enquanto ia para um bloco, o machismo mostrou sua face mais violenta e misógina às mulheres no carnaval desse ano.  

De acordo com dados da Polícia Militar, foram 2.154 casos de violência contra a mulher registrado nesse carnaval. O número representa que, nesses dias de folia, uma mulher foi agredida a cada 3 minutos. Isso tem que acabar!

A Secretaria da Mulher Trabalhadora da CTB-RJ alerta para o fato de que não é apenas no Carnaval que as mulheres são vítimas da violência. Dados da Secretaria de Políticas para as Mulheres (extinta pelo governo golpista) revelam que, no ano passado, o Brasil registrou 1 caso de violência doméstica a cada 7 minutos.

“Não podemos aceitar nenhum tipo de violência contra a mulher! Os números desse carnaval são alarmantes e demonstram a necessidade da militância feminista estar unida na luta contra esse tipo de violência e a necessidade do poder público tomar medidas urgentes para conter esse índício” – afirmou a Secretária da Mulher Trabalhadora da CTB-RJ, Katia Branco.

Segundo a ONU, o Brasil é o quinto país no mundo que mais mata mulheres. Fica atrás apenas de El Salvador, Guatemala, Colômbia e Rússia. As mulheres negras são as maiores vítimas desses casos. Pelos dados do Mapa da Violência de 2015, morreram assassinadas 66,7% mais mulheres negras do que brancas no Brasil. Números que, para além de repudiar, precisamos combater.

Leia também...

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *